skip to Main Content

Médico se RECUSA a atender criança de três anos com suspeita do Coronavírus

Médico Se RECUSA A Atender Criança De Três Anos Com Suspeita Do Coronavírus
Publicidade

 

A mãe Sara Richadrs, da Austrália, passou pelo pior pesadelo, quando viu sua filha de três anos, com todos os sintomas do coronavírus e o médico da família se recusou a atende-lá.

“Minha filha desenvolveu tosse na segunda-feira à noite, juntamente com sintomas semelhantes aos da gripe e, na terça-feira à tarde, a tosse havia se desenvolvido a ponto de começar a engasgar quando tossia, como se estivesse lutando para respirar.Ela também desenvolveu rapidamente uma febre que não diminuiu com a medicação, Contou Sara ao site Kidspot.

A mãe ainda contou que ela tinha todos os sintomas do coronavírus.“Ela estava com todos os sintomas, nariz escorrendo, tosse intensa, dor de garganta, febre, dor de estômago, fadiga e, para minha preocupação – dificuldade em respirar e chiar a cada respiração ” contou a mãe.

Naturalmente, Sarah, entrou em contato com o médico de família, para marcar uma consulta, no entanto, foi informada, que todos os pacientes com gripe, deveriam se apresentar no Centro de testes para o COVID-19.

Publicidade

Então ela foi pesquisar quais seriam as diretrizes e padrões, para realizar os testes,um deles inclui viagens internacionais recentes no últimos 14 dias.Sendo assim ela não atende as diretrizes.

Acontece, que a maioria da sociedade da Austrália, não tem conhecimento desdes padrões, que os testes só estão disponíveis, para pessoas que estão passando mal, e que viajaram para o exterior nos últimos 14 dias, ou tiveram contanto próximo com algum caso confirmado para o coronavírus.

“Cem mil novos testes chegaram ao país na noite de terça-feira, no entanto, as autoridades de saúde disseram que isso não mudará as diretrizes rígidas exigidas para os testes COVID-19”.

Considerando que Sarah havia feito vôos domésticos há 13 dias, com todos os três filhos, e um passageiro sentado atrás dela tossiu o vôo inteiro, Sarah se perguntou se isso justificaria sua filha ser testada. Afinal existia a chance de dar resultado positivo para o COVID-19, pois eu precisaria informar a escola do meu filho, que ainda está aberta.

Publicidade

Na última terça-feira, fui até a emergência onde minha filha foi avaliada, e disseram que ela não cumpria as diretrizes do COVID-19, ela foi internada como qualquer outro paciente”, disse Sarah.

O médico avaliou e determinou que ela esta com uma infecção viral desconhecida, febre e dificuldade respiratória. “Ela estava com o peito chiando, e sua frequência cardíaca aumentada”, contou a mãe.

O medico decidiu que ela precisava de esteróides para os pulmões, com monitoramento a noite.

Veja Mais:

“O teste COVID-19 não foi mencionado em nenhum momento, até que eu perguntei se ela deveria ser testada. Disseram-me que ela não cumpria as diretrizes, portanto, não, ela não seria testada. Perguntei se ela precisava ser isolada. Me disseram que não a necessidade, porque ela não cumpre as diretrizes. Eu ainda questionei, porque meus filhos frequentam a escola, que certamente precisaria confirmar o resultado negativo. Eles disseram que não”, desabafa a mãe.

“Minha filha está exibindo todos os sintomas de uma infecção viral desconhecida e requer hospitalização por dificuldades respiratórias durante uma pandemia. No entanto, ela não cumpre as diretrizes para o teste COVID-19. “, acrescentou a mãe.

“Eu gostaria muito que o teste fosse feito. Porque iria me proporcionar tranquilidade não apenas para a família, mas também para as pessoas que temos contato.”finalizou a mãe.

Publicidade